inclusão de arquivo javascript

Imóveis
 
 

Venda de usados dispara em outubro e deve 'salvar' ano em SP

08 de janeiro de 2013 13h21

O salto de 47,23% em outubro deverá fazer o mercado paulista de imóveis usados fechar no azul, segundo o Creci-SP. Foto: Sebastian Tomus/Shutterstock

O salto de 47,23% em outubro deverá fazer o mercado paulista de imóveis usados fechar no azul, segundo o Creci-SP
Foto: Sebastian Tomus/Shutterstock

As vendas de imóveis usados disparam em outubro no estado de São Paulo e devem garantir que o resultado de 2012 seja positivo, segundo o Conselho Regional de Corretores de Imóveis de São Paulo (Creci-SP). O desempenho surpreendeu a entidade, que já esperava retração no ano passado.

O número de casas e apartamentos vendidos em outubro cresceram 47,23% em relação a setembro, o melhor resultado desde o início de 2012, de acordo com dados divulgados pelo Cresci-SP nesta terça-feira. Com isso, o saldo do ano, negativo até setembro (-18,5%), voltou para o azul. Nos primeiros dez meses de 2012, as vendas de imóveis no mercado paulista superaram em 28,73% o acumulado no mesmo período de 2011.

Mesmo que os resultados de novembro e dezembro sejam menos expressivos, o Creci-SP agora acredita que o ano fechará no azul. O presidente do conselho paulista, José Augusto Viana Neto, afirma que os dois últimos meses do ano têm históricos positivos de vendas, em razão do pagamento do 13º salário e de bonificações de final de ano.

"Não temos uma explicação para a melhora das vendas em outubro", admite Viana Neto. "O mercado é sempre muito instável, principalmente por causa da crise mundial, que deixa os compradores desconfiados e com medo de assumirem dívidas como os financiamentos, que são longos. Mas o índice de confiança na estabilidade econômica pode ter ajudado. A confiança do consumidor na economia é fundamental para a melhoria das vendas".

Aluguel

O mercado de locação também está com saldo positivo: 22,2% no acumulado do ano. Em setembro, o número de casas e apartamentos alugados havia recuado 10,45%, mas, novamente, outubro deu um respiro e fechou em alta de 9,94%.

As 1.430 imobiliárias consultadas pelo Creci-SP em 37 cidades de São Paulo venderam mais apartamentos (64,61%) do que casas (35,39%). A maioria das propriedades (53,37%) foi vendida por até R$ 200 mil.
PrimaPagina
  1. O salto de 47,23% em outubro deverá fazer o mercado paulista de imóveis usados fechar no azul, segundo o Creci-SP  Foto: Sebastian Tomus/Shutterstock

    O salto de 47,23% em outubro deverá fazer o mercado paulista de imóveis usados fechar no azul, segundo o Creci-SP

    Foto: Sebastian Tomus/Shutterstock

  2. Novembro e dezembro também devem trazer bons resultados, prevê o presidente do Creci-SP, José Augusto Viana Neto: o 13º salário e as bonificações de final de ano favorecem o mercado nessa época  Foto: Africa Studio/Shutterstock

    Novembro e dezembro também devem trazer bons resultados, prevê o presidente do Creci-SP, José Augusto Viana Neto: o 13º salário e as bonificações de final de ano favorecem o mercado nessa época

    Foto: Africa Studio/Shutterstock

  3. As 1.430 imobiliárias consultadas pelo Creci-SP em 37 cidades de São Paulo venderam mais apartamentos (64,61%) do que casas (35,39%)  Foto: Shutterstock

    As 1.430 imobiliárias consultadas pelo Creci-SP em 37 cidades de São Paulo venderam mais apartamentos (64,61%) do que casas (35,39%)

    Foto: Shutterstock

  4. Outubro também registrou aumento nas locações, após forte queda em setembro. O resultado fez com que, no acumulado do ano, o mercado voltasse a fechar no azul  Foto: Alex Millos/Shutterstock

    Outubro também registrou aumento nas locações, após forte queda em setembro. O resultado fez com que, no acumulado do ano, o mercado voltasse a fechar no azul

    Foto: Alex Millos/Shutterstock

  5. O saldo positivo de outubro, o melhor desde o início do ano, pode ter sido influenciado pela confiança dos compradores na economia, avalia Viana Neto  Foto: Glovatskiy/Shutterstock

    O saldo positivo de outubro, o melhor desde o início do ano, pode ter sido influenciado pela confiança dos compradores na economia, avalia Viana Neto

    Foto: Glovatskiy/Shutterstock

/imoveis/foto/0,,00.html